domingo, 26 de setembro de 2010

Sem lembrança

Ainda que eu pudesse te dar o mundo, de nada adiantaria, porque você não quer nada que venha de mim.

Te daria o meu melhor. O melhor do mundo. O melhor que a vida apresenta a poucos, mas você não se interessaria...

Sou uma pessoa legal.
Você é uma pessoa legal.
Nos daríamos muito bem, tenho certeza disso, mas parece que nos distanciamos demais da realidade do que somos e ficamos apenas com a imagem do que imaginamos um do outro.

Eu teria te conquistado, tenho certeza disso.
Da mesma maneira que consigo enxergar que você não é o monstro que eu pintava, você também conseguiria enxergar o quanto poderíamos ser felizes juntos... Enxergaria em mim qualidades que não imagina que existam.

Acredito que o orgulho nos afastou. Meu medo, meu orgulho, seu desinteresse, seu medo, nossas realidades diferentes... Tudo muito amplo, nada concreto, palavras perdidas entre tantos sentimentos confusos e imaturos que ficaram soltos entre nós dois. Sentimentos não ditos, sorte lançada ao acaso, felicidade silenciada pela nobre intenção de amar sem sofrer.

Eu e você, cada um num canto, tentando fingir que o outro não existe, sustentando pra sempre a dúvida do que poderia ter sido real e que hoje, não tem nenhuma lembrança!


Lauraine Santos.

Nenhum comentário: